quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Momo - Mitologia

Na mitologia grega Momo (em grego Μωμος - Mômos - burla, culpa; em latim Momus) era a personificação do sarcasmo, das burlas e de grande ironia. Era o deus dos escritores e poetas, um espírito mal-intencionado e um crítico injusto.

Registos

Hesíodo contava que Momo era um filho de Nix, a Noite (Teogonia, 214). Luciano de Samosata recordava (no diálogo ampliado Hermotimus, 20) que este arengou crítica e ironicamente a Hefesto por haver fabricado para os homens a mulher sem uma porta em seus peitos para que se pudesse ver seus pensamentos. Também ironizava de Afrodite, ainda que tudo quanto dela pudesse dizer era ser tagarela e que usava sandálias que rangiam (Filóstrato), Epístolas). Devido a suas constantes críticas, foi exilado do Monte Olimpo.

Personificação

Era representado com uma máscara que levantava para exibir seu rosto, e com um boneco numa das mãos, simbolizando a loucura.

Literatura

Quando Sir Francis Bacon escreveu um ensaio intitulado "Of Building", afirmou ali que "Aquele que constrói uma boa casa sobre uma base ruim, condena-se a si mesmo à prisão... Não é apenas o ar que faz ruim uma base, mas as estradas ruins, os mercados ruins e, se faz consultas com Momo, tem vizinhos ruins".

Laurence Sterne aventou a possibilidade de existir uma janela de Momo para a alma, numa digressão incoerente, típica de seu estilo, em a obra "Tristram Shandy".

Festejos

Mardi Gras

Inspirada no deus, Momo era o nome de una sociedade de Mardi Gras em Galveston (Texas, Estados Unidos), os "Cavaleiros de Momo" (Knights of Momus, «KOM»), fundada em 1871.

Também foi o nome da segunda krewe mais antiga do Mardi Gras de Nova Orleans, fundada em 1882. Em 1992 uma nova lei da cidade obrigava ao fim da segregação racial nas krewes, para que obtivesse permissão de desfilar, e Momo foi uma das três krewes históricas (junto a Como, de 1857 e Proteu, de 1882) que preferiram deixar de desfilar a ter que eliminar suas restrições para ingresso de membros.

Carnaval

Nas festas de Carnaval de várias cidades da Espanha são rendidas homenagens ao deus Momo, com diversos atos.

Em Cádiz, a queima de um boneco representando ao deus Momo encerra as festas do Carnaval a cada ano.

No Carnaval do Brasil e ainda em Barranquilla (Colômbia), um dos principais personagns dos festejos é o chamado Rei Momo, nome baseado nesta deidade.

Postar um comentário